Quem, realmente, somos nós

Imagine grupos de animais tentando descobrir como conviver entre si e com outros grupos; criando ferramentas, dinâmicas e regras; mantendo algumas que pareceram funcionar, mantendo algumas nocivas por inércia social ou porque os prejudicados são fracos pra se impor, implementando outras que ajudam em certas situações mas criam novos problemas…

Por mais complicados que nos tornemos, de tempos em tempos é bom lembrar que “a humanidade” é isso.

Não há leis universais direcionando naturalmente este grupo particular de animais para uma dinâmica de convivência e subsistência que seja favorável a todo e cada indivíduo desta espécie. Não há sequer garantias de que isso seja realmente possível através de uma solução ou outra, porque a realidade não possui um gabarito com respostas certas e erradas pra total concretização dos interesses desse grupo específico de macacos morando nessa rocha que flutua ao redor dessa estrela vagando nesse braço dessa galáxia específica.

O universo não presta contas a nossos conceitos e abstrações, por mais belos, atraentes ou teimosos que sejam. Justiça, liberdade, mérito, paz, igualdade, progresso… são tentativas e nortes nossos, não caminhos naturais de uma evolução humana.

Cabe a nós tentar ou não torná-los um pouco mais concretos.


fonte da foto de capa: Endangered Hawaiian crows join elite list of animals known to use tools

Anúncios